Sindilojas e outros sindicatos impetram mandato de segurança coletivo contra fechamento do comércio




O Sindilojas Alto Uruguai Gaúcho, juntamente com mais 15 Sindicatos do Comércio Varejista - de Bagé, Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Ijuí, Lagoa Vermelha, Lajeado, Nova Prata, Novo Hamburgo, Palmeira das Missões, Santa Rosa, Santo Ângelo, Sobradinho, São Gabriel, Três Passos e Santa Maria –, obtiveram que o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul acolhesse o Mandato de Segurança Coletivo por eles impetrado contra o fechamento dos estabelecimentos do comércio de bens e serviços por Ato do Governador do Estado, Eduardo Leite. A petição foi protocolada ontem, dia 10, no Tribunal de Justiça.

De acordo com o presidente do Sindilojas Alto Uruguai, José Gelso Miola, desde a decretação do fechamento do comércio no ano passado, o Sindicato têm se manifestado contrário e trabalhado incansavelmente para evitar que as lojas de comércio não essenciais fechem suas portas. “Com esse último decreto, não nos restou alternativa a não ser entrar na justiça para obtermos o direito de permanecermos com as portas abertas”, revela Miola, mesmo com todos os pedidos feitos pelas diversas federações representativas desse setor, e porque até agora não se conseguiu resultados positivos.

Miola destaca a importância da manutenção da atividade empresarial, que nesse momento tão difícil de enfrentamento à crise sanitária e econômica vem sendo impedida de exercer suas atividades. “Defendemos a preservação da vida, mas também a preservação dos nossos negócios e temos certeza que não é no comércio que está o foco da contaminação das pessoas e muito menos da propagação do vírus, uma vez que seguimos rigorosamente todos os protocolos sanitários”, falou. Segundo ele, o momento agora é de aguardar uma resposta positiva da Justiça para o Mandado de Segurança Coletivo impetrado pelos sindicatos.