top of page

Sindilojas Alto Uruguai recebe visita do presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região



Desembargador Francisco Rossal de Araújo palestrou sobre as

Perspectivas da Justiça do Trabalho



O Sindilojas Alto Uruguai promoveu na manhã desta terça-feira, 4, uma palestra com o presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4), desembargador Francisco Rossal de Araújo, com o tema “As Perspectivas da Justiça do Trabalho”. O evento foi realizado no Auditório da CDL Erechim e contou com a presença do anfitrião, o presidente do Sindilojas Alto Uruguai, José Gelso Miola; o vice-prefeito Flávio Tirello; a presidente da CDL Erechim, Débora Lunardi; presidentes de entidades como ACCIE, Unindústria, Sinduscon, Coder, OAB e outras e empresários.

O convidado ingressou na magistratura do trabalho em 1990. É desembargador federal do Trabalho desde 2012. Foi eleito para a gestão 2020/2021 para o cargo de vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4Região (TRT4) e para presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4Região (TRT4) na atual gestão (2022/2023). Foi professor em várias universidades privadas (Unisinos, Ulbra, Ritter dos Reis e PUC) e, atualmente, é professor concursado da Ufrgs. Tem inúmeros livros e artigos publicados e intensa atuação acadêmica em cursos de graduação e pós-graduação.

Acompanhou o presidente do TRT, a Diretora Geral do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, Rejane Carvalho Donis.

PAPEL SOCIAL PERANTE A SOCIEDADE

Durante a palestra, o magistrado falou sobre o acesso e atuação da Justiça do Trabalho, o seu papel social perante a sociedade, a conciliação e a promoção do equilíbrio entre capital e trabalho. O presidente do TRT-4 destacou, em sua fala, que o Direito do Trabalho é uma forma de ver o mundo e de corrigir desigualdades. “O mundo por si só é injusto. Se vocês pararem para pensar, na história da humanidade sempre lutamos contra as adversidades”, afirmou

Ele reforçou que o TRT é imparcial e técnico, que busca trabalhar pelo interesse da comunidade e que naturalmente dispões de um DNA Social. Segundo Rossal, é cada vez mais difícil a legislação conseguir prever todas as situações que podem ocorrer nas relações de trabalho, devido às constantes transformações. Nesse contexto, para o magistrado, dois aspectos se destacam: a jurisprudência dos Tribunais e as negociações coletivas, que podem ser mediadas pelo TRT. O desembargador citou as mediações coletivas realizadas durante a pandemia, em que o Tribunal, trabalhadores e empresas buscaram soluções em conjunto para uma série de dificuldades que surgiram com os impactos da covid-19.

EM DEFESA DE SINDICATOS FORTES

Rossal defendeu a existência de sindicatos fortes, tanto patronais como de trabalhadores, para que haja equilíbrio nas negociações coletivas, para dar segurança às relações de trabalho e para a estrutura econômica. Segundo ele, cada vez mais haverá negociações coletivas e por isso, é necessário sindicatos atuantes, sérios e responsáveis, para tratar as questões com a profundidade que elas merecem, olhando o desenvolvimento econômico.

Ao ser questionado, afirmou que não vê possibilidade de uma revogação da reforma trabalhista, mas o aperfeiçoamento dela.

APROXIMAÇÃO BEM-VINDA

Para o presidente do Sindilojas Alto Uruguai, José Gelso Miola, é muito bom a gente entender que o desembargador tem essa ideia de aproximar quem oferece o emprego e quem está recebendo o emprego, o poder público e também a Justiça do Trabalho para que a gente possa ter um entendimento melhor entre todas as partes”, destacou Miola, ao final do evento.

Ao final, tanto o desembargador quanto a diretoria geral do TRT receberam presentes da Vinícola Solimann. Entre eles vinhos premiados na Europa, com selo ouro.


Comments


bottom of page