Iniciação Científica: Pesquisa e investigação começam na escola

Adaptada aos diferentes níveis de ensino, a Iniciação Científica faz parte do cotidiano dos estudantes no Colégio Marista Medianeira


O exercício da pesquisa contribui para o desenvolvimento de habilidades no sentido de busca e uso de informação, bem como promove a reflexão, o pensamento crítico e a aplicação do conhecimento frente à aprendizagem. Reconhecendo esses benefícios, entre os objetivos da educação marista está a preparação dos estudantes para as diferentes etapas da pesquisa científica, a partir de conhecimentos prévios e motivações, de modo que eles possam se tornar estudantes-pesquisadores. Com isso, os percursos da Iniciação Científica potencializam a investigação como um instrumento de aprendizagem de forma contínua e transformadora.

A pesquisa no Colégio Marista Medianeira

Segundo a supervisora de bibliotecas dos Colégios da Rede Marista, Patrícia Saldanha, a Iniciação Científica é um movimento presente em nossos Colégios, que proporciona ações de estímulo à pesquisa com temas relevantes e pertinentes à realidade dos estudantes. “Busca-se, por meio da investigação científica, localizar e selecionar as informações, problematizar, debater e refletir sobre diferentes temáticas relacionadas às quatro áreas do conhecimento, a partir de um olhar crítico sobre os fenômenos que os cercam, construindo novos saberes e, por fim, divulgando o conhecimento produzido”, explica.

Além do conteúdo teórico, os estudantes do Marista Medianeira utilizam os Laboratórios para elaborar projetos científicos, participando do Clube de Ciências, promovido em parceria com a Faculdade de Biociências da PUCRS. ​Através do exercício da pesquisa científica, o estudante é inserido em uma situação de aprendizagem que desenvolve habilidades na busca e no uso de informação, como também, promove a reflexão, o pensamento crítico e a aplicação do conhecimento. Participar da Iniciação Científica na escola torna o estudante capaz de ​construir problematizações, hipóteses e soluções para problemas reais, através de diferentes atividades que promovam a pesquisa e a inovação. A abordagem e as atividades variam de acordo com o nível ensino. Abaixo, apresentamos como ocorre a Iniciação Científica em cada fase da aprendizagem no Marista Medianeira.

Educação Infantil

A investigação com os estudantes na Educação Infantil é um dos princípios para a aprendizagem, visto que a curiosidade das crianças sobre diferentes fenômenos e eventos contribui para o surgimento de vários projetos. Patrícia relembra que a Investigação Científica nessa faixa etária tem como premissas escutar as crianças, traçar percursos investigativos a partir de suas curiosidades, lançar hipóteses sobre o que elas pensam e pautar caminhos de investigação, valorizar suas ideias e colocá-las como protagonistas do processo, respeitando as diferentes formas de comunicação.

No Colégio Marista Medianeira, a sensibilidade dos educadores na escuta sensível, atenta e ativa para com as crianças, valorizando os questionamentos, hipóteses e descobertas, tornando-as protagonistas de suas aprendizagens, faz parte da Pedagogia da Escuta, que não se traduz em um simples ouvir, mas que tem como essência construir perguntas, aguçar a imaginação e a dúvida, bem como, fomentar a curiosidade. As investigações na Educação Infantil dão origem a projetos, dos quais podemos citar os que estão em desenvolvimento este ano, sendo eles: Brincando e investigando mapas de tesouros (Turma 011); Luminiscência: luzes e suas nuances (Turma 021); A arte em cores pela perspectiva das crianças (Turma 022); Montanhas russas: entre subidas e descidas, investigações e descobertas (Turma 031); A Era Medieval e os castelos (Turma 032); Conhecer-se para acolher os detalhes do eu e do outro (Turma 033). Neste contexto, muitas aprendizagens acontecem, permeadas por brincadeiras e interações.

Anos Iniciais

Para os Anos Iniciais, as atividades visam explorar e exercitar o interesse pela busca por conhecimento, ampliar as formas de leitura e oferta de diferentes materiais, e formular hipóteses sobre os fenômenos existentes. “As aprendizagens partem das experiências e vivências dos estudantes e devem promover o contato com o prazer da descoberta”, afirma Patrícia.

Nos anos iniciais, a Iniciação Cientifica ocorre no enfoque dado à problematização, principalmente nas Sequências Didáticas, no processo de construção dos conceitos previstos para a série, nos diferentes componentes curriculares e na busca de respostas às indagações que surgem de curiosidades dos próprios estudantes. Fazer perguntas, participar de pesquisas bibliográficas, experimentos, observações de ambientes físicos ou virtuais instigantes desenvolve o espírito investigativo e o desejo de querer saber mais, predisposição esta, essencial para que nossos estudantes sejam protagonistas de um processo de aprender que seja duradouro.

Anos Finais e Ensino Médio

A partir dos Anos Finais e do Ensino Médio, parte-se para o pressuposto de que os estudantes já compreendem a Ciência e seus fenômenos, tendo, dessa forma, condições para estabelecer relações entre os objetos a serem investigados e as áreas do conhecimento relacionadas. “Entendemos que esses estudantes possuem uma maturação acerca das etapas sistematizadas para observar, analisar, inferir e materializar dois importantes conceitos relacionados à pesquisa: a descoberta e a criação. Portanto, as etapas que englobam o projeto de pesquisa e os resultados se concentram nesses segmentos”, comenta Patrícia.

Ao abordar as etapas sistematizadas para os Anos Finais e Ensino Médio, são enfatizados tema da pesquisa, a justificativa, o problema, os objetivos, referencial, metodologia e resultados. Patrícia ressalta que cada estágio da Educação Básica apresenta contextos, repertórios, maturidades e subjetividades que os educadores levam em consideração em seus projetos.

Anualmente, os estudantes dos Anos Finais e Ensino Médio do Marista Medianeira participam da Mostra Científica, momento em que apresentam à comunidade escolar o resultado de suas pesquisas realizadas durante o ano, referente ao tema e à área do conhecimento escolhida por cada grupo. Diante da situação de pandemia, neste ano, os estudantes não puderam realizar o evento, mas elaboraram os trabalhos da mesma forma, passaram pela avaliação dos educadores em uma pré-banca e apresentaram a primeira parte de seus projetos para os estudantes da escola, durante a aula. A entrega final do trabalho, escrito e apresentado, acontece no segundo semestre do ano letivo. As famílias participam através do recebimento de materiais feitos pelos estudantes que falam sobre a sua pesquisa, como forma de valorizar a dedicação e o percurso de aprendizagem dos filhos.

Por meio da Investigação Científica, portanto, é possível trabalhar com inúmeras propostas para o questionamento de fenômenos que nos rodeiam. “Comprovadamente, a pesquisa científica é um caminho para o saber que, do mesmo modo, colabora para a autonomia e o protagonismo do estudante em seu processo de aprendizagem”, finaliza Patrícia.