top of page

Início do inverno demanda maior cuidado com doenças respiratórias


Foto: EBC - Arquivo


O início do inverno nesta quarta-feira (21/6) traz um alerta para a ampliação dos cuidados com a saúde. As temperaturas mais baixas, verificadas nesta época do ano, favorecem a disseminação de vírus (como o da gripe), de resfriados e da covid-19. Por isso, a Secretaria da Saúde (SES) recomenda algumas medidas de higiene e de prevenção, como a vacinação contra a influenza e o coronavírus. Entre as ações do governo do Estado, o Programa Inverno Gaúcho com Saúde visa reforçar serviços nos hospitais, com o investimento de recursos extras nas entidades e empréstimo de equipamentos.

A maior transmissão durante o inverno ocorre por conta de hábitos relacionados ao frio, como a maior permanência em espaços fechados e com pouca ventilação, o que facilita a circulação de microrganismos – principalmente vírus respiratórios.

Como explica a enfermeira do Núcleo de Doenças Respiratórias do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Letícia Martins, a temperatura e a umidade no inverno são propícias para as infecções respiratórias. "Quanto menor a umidade mais fácil é a transmissão, visto que as partículas virais ficam mais tempo suspensas no ar. Quando a umidade está muito alta, elas caem com as gotículas de água”, explica. “Em períodos frios, as pessoas têm a tendência de ficarem mais confinadas em espaços fechados. As casas não ficam com janelas e portas abertas no inverno. Esses fatores tornam a transmissão de qualquer vírus respiratório mais intensa durante essa época do ano.”

Aumento da demanda de saúde entre junho e agosto

Entre os meses de junho e agosto, a demanda por atendimentos de saúde tende a aumentar. Doenças do sistema respiratório foram a principal causa de internação de crianças e adolescentes de zero a 14 anos no Estado em 2022, representando 12,3% dos casos.

Em comparação com 2019, antes da pandemia da covid-19, houve um aumento de 6% nas hospitalizações pediátricas por doenças respiratórias. Pneumonia, asma e bronquite e bronquiolite agudas são as enfermidades que mais levaram às internações, quadro agravado pela pandemia.

Programa Inverno Gaúcho

O Programa Inverno Gaúcho com Saúde, lançado este ano pelo governo do Estado, conta com um orçamento de R$ 10,1 milhões do Tesouro estadual para reforçar os serviços nos hospitais. Com os novos investimentos, a SES visa ampliar e qualificar a rede de atendimento a síndromes respiratórias agudas graves.

Hospitais com até dez leitos de UTI pediátrica recebem R$ 250 mil, e aqueles com mais de dez, R$ 375 mil. Além disso, o programa destina R$ 90 mil para os hospitais com porta de entrada para urgências e emergências.

Se há disponibilidade de estoque, a distribuição de equipamentos, quando necessários ao atendimento pediátrico, é uma das ações do programa. Em 16 de junho, o Hospital Vila Nova, em Porto Alegre, iniciou o atendimento na nova UTI pediátrica. A abertura da unidade com dez leitos foi possível com o empréstimo de equipamentos do governo do Estado: dez respiradores, dez monitores e dez camas.

O Grupo Hospitalar Conceição também recebeu oito respiradores beira-leito, enquanto ao Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas foram repassados quatro conjuntos de equipamentos para UTI (compostos por cama, respirador beira-leito e monitores multiparâmetros).

Predominância de H1N1 acende alerta para vacinação

A vacina trivalente contra o vírus influenza continua sendo a melhor alternativa para evitar formas graves da infecção. O imunizante estimula a produção de anticorpos para as três cepas principais: A (H1N1), A (H2N3) e B.

Neste ano, a cepa predominante em circulação identificada nos casos de hospitalização é a A (H1N1), a mesma que originou a pandemia de gripe em 2009. O temor é que, com poucas pessoas vacinadas, a tendência seja de altos números de infecções e agravamentos da doença. “A cepa H1N1 historicamente causa mais prejuízos à saúde em comparação com outros subtipos de influenza. A vacina é disponibilizada para garantir que as pessoas estejam imunizadas quando entrarem em contato com o vírus”, informa Letícia.

Em 2023, o Rio Grande do Sul já registrou 774 hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave causadas pelo vírus influenza, das quais 75 evoluíram para óbito. Entre os casos de influenza A com subtipo identificado, o predomínio é do A (H1N1), com 332 casos, contra apenas oito de A (H3N2). Além disso, foram 199 diagnósticos para Influenza B e 222 casos nos quais o exame não distingue entre os subtipos de Influenza A.

A vacinação contra a gripe influenza ainda está disponível em todos os municípios, conforme estoque remanescente, para todas as pessoas acima dos seis meses. Mais de 3 milhões de pessoas foram vacinadas no Estado. Entre os grupos de maior risco (crianças, idosos, gestantes, puérperas, trabalhadores da saúde e professores), a cobertura é de 51%.

Outro importante cuidado recomendado é a vacinação contra covid-19. Em maio deste ano, foram 12 mil novos casos registrados e 104 óbitos pela doença. Até esta quarta-feira (21/6), 1,3 milhão de pessoas tomaram a dose bivalente contra a covid-19, recomendada para todas as pessoas acima de 18 anos.

10 dicas de saúde no inverno:

  1. lave as mãos com frequência e procure não tocar nos olhos, no nariz e na boca a fim de evitar a propagação de germes e vírus;

  2. mantenha a vacinação em dia;

  3. tenha uma dieta saudável e equilibrada e tente comer alimentos sazonais e quentes;

  4. hidrate-se bebendo bastante água;

  5. certifique-se de ter um sono adequado para manter seu sistema imunológico forte;

  6. exercite-se regularmente para ajudar a manter a saúde física e mental;

  7. vista-se adequadamente, com roupas quentes e camadas para se proteger do frio;

  8. abra as janelas sempre que possível para renovar o ar em ambientes fechados;

  9. evite contato próximo com pessoas doentes e evite locais com aglomeração;

  10. se apresentar sinais e sintomas de infecção respiratória, use máscara e procure atendimento de saúde.

Texto: Ascom SES

Comentários


bottom of page