Idoso colocado no foco de reflexões durante Seminário

Autoridades, representantes de entidades, profissionais que atuam com a pessoa idosa, estudantes e outros interessados no assunto, lotaram a plateia do Centro Cultural 25 de Julho na última sexta-feira (15) para participar do Seminário de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa. O evento, promovido pelo Conselho Municipal dos Direitos do Idoso – Comid, com o apoio da Prefeitura de Erechim e da Secretaria Municipal de Cidadania, buscou alertar a sociedade sobre a violação dos direitos nesta fase da vida e garantir envelhecimento digno.

Nos pronunciamentos que antecederam as três palestras da tarde sobre o tema, era visível a importância da iniciativa e seu reflexo na sociedade.  “Não podemos nunca deixar de lutar por uma vida onde a dignidade exista todos os dias e para transformar este mundo em um lugar melhor”, enfatizou o Prefeito Luiz Francisco Schmidt ao falar para os mais de 330 presentes. Ao que Líbera Bresolin, presidente do Comid, acrescentou: “aqui temos a oportunidade de lançar a semente neste sentido e nos perguntar o que cada um de nós está fazendo pelo idoso, qual a sua parcela de colaboração”.

Com a palestra “Reflexões sobre o envelhecimento humano: aspectos psicológicos” Felipe Biasus, coordenador do Curso de Psicologia da URI Erechim e mestre em Psicologia pela UFSC, deu início às explanações do encontro. Ao destacar que estudos apontam aumento significativo na expectativa de vida do brasileiro, citou atitudes de como envelhecer com mais qualidade. “Devemos pensar de que maneira executamos cada tarefa diária para que reflitam positivamente e não que afetem o futuro, pois envelhecemos desde sempre. É salutar ter planos e projetos”.  O professor e psicólogo também esclareceu sobre sinais que acusam a chegada a essa fase: “surge a tendência ao recolhimento, o tempo de reação e a agilidade são menores na velhice. Ler, jogar cartas ou fazer crochê são receitas fáceis e eficientes para combater esse cenário”.

Ao falar da “Realidade das Denúncias em Erechim” a Coordenadora do Centro de Referência Especializado em Assistência Social - Creas expôs números que alertam a respeito da problemática, muitas vezes velada e desapercebida pela maioria. Claudia Pires detalhou os casos que chegaram até a entidade em 2017: foram atendidos 34 e confirmados 16; sendo 81% feminino e 19% masculino; todos entre 61 e 84 anos; onde os suspeitos agressores eram, em sua maioria, filhos e sobrinhos. “Precisamos fortalecer a rede de proteção, investir em ações preventivas, capacitar pessoal, pois são vários os tipos de violência e de difícil identificação como: a emocional, física, sexual, financeira, negligência e abandono”, pontuou a assistente social especialista em Pedagogia Social.

Encerrando o ciclo de palestras da tarde dedicada ao universo da pessoa idosa, a especialista em Gerentologia e em Psicologia Clínica, Eliana Santin, abordou o tema “Envelhecer e não ter a vergonha de ser feliz”. E a reflexão iniciou com a pergunta: “quem são os nossos velhos?”, a qual levou os presentes no Seminário de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa. a olhar para suas convivências e realidades. Ao afirmar que “somos na velhice o que fomos na infância, na juventude e ao longo da vida. Somos o resultado da caminhada”, a psicóloga da Sociedade Beneficente Jacinto Godoy- Lar dos Velhinhos enfatizou as vantagens de quem envelhece e os tabus que cercam essa fase. “Envelhecer é também ver filhos criados e amizades consolidadas, ter mais tempo disponível para fazer o que se quer. E, lembrem-se: afetividade é elixir em qualquer idade, para o envelhecimento ela é tão ou mais importante”

© 2020 Virtual FM 104.7 - Sociedade Rádio São José LTDA