top of page

Formatura dos primeiros médicos da URI: uma nova marca da Universidade   


Com a formatura da primeira turma de médicos, a URI (Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões) Câmpus de Erechim, viveu mais um momento histórico na sua missão educacional. A colação de grau ocorreu no sábado, 9, às 18h, no Salão de Eventos, que recebeu um grande número de convidados.

A solenidade, presidida pelo Reitor Arnaldo Nogaro, contou com a presença, ainda, do Diretor-Geral do Câmpus, Paulo Roberto Giollo; do Diretor Acadêmico, Adilson Luis Stankiewicz; do Diretor Administrativo, Paulo José Sponchiado; do Coordenador do Curso, Sergio Bigolin; do Prefeito de Erechim, Paulo Alfredo Polis; e Rafael Badalotti, representante do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (CREMERS).

Entre os professores presentes, estavam os homenageados Jean Carlos Zanardo (patrono); os amigos Ângelo Luís Ströher, Cinara Luciana Savicki Freire e Rejane Lis Menegaz Ströher; o Professor Homenageado, Samuel Salvi Romero; a Coordenadora Pedagógica do Curso, Miriam Salete Wilk Wisniewski; o funcionário homenageado, Antonio Pacheco; e os chefes das áreas e professores representantes dos ciclos de formação, Paula Vendruscolo Tozzatti, Leandro Antônio Gritti, Juliano Sartori, Juliane Sauter Dalbem, Felipe Santos Franciosi, Elisabete Maria Zanin e Elvis Wisniewski.

Presentes, ainda, várias lideranças de Erechim e região, que representavam as mais diversas entidades regionais que foram e estão sendo fundamentais para o funcionamento do Curso de Medicina da Universidade, assim como professores e preceptores que ministraram aula aos agora diplomados.

 A solenidade reservou um espaço, logo após a entrada dos formandos, para um momento cultural com a presença do Coro da URI. O grupo apresentou a música One Day, que foi tema de um vídeo produzido especialmente para o Curso de Medicina, em 2020, quando da realização da III Jornada Acadêmica, cuja produção serviu para trazer um pouco de alento à população atingida pela pandemia da COVID-19. 

Os novos médicos formados pela URI, que tiveram como paraninfo o professor Ramiro Ronchetti, são: Alana Helbich Brum, Amanda Peracchi Schneider, Anielly dos Santos Cella, Anna Laura Carniel Biesdorf, Bruna Albiero de Cesaro, Bruna Regina Arboit, Carlos Henrique Pinson Sichelero, Cindia Sartori, Daniela Dallapria, Eduarda D’Agostini, Eduardo Fabian Rigo, Emilli Cristina dos Santos, Evelyn Fabiane Nazzari, Fabiane Hoffmann Barbosa, Fernanda Lanfredi Werkhausen, Franciele Dartora, Franco Ricardo Fernandes Meneguzzo, Gabrielle Trevisan Zorzi, Giovanna Sanagiotto Ross, Giulia França Maculan, Igor Valentini, Isadora Cristina da Silva, Jean Carlos Ostrowski, Jessica Dal Pupo, Jéssica Maria Marini, Katherine Reiss do Nascimento, Laura Cassel, Laura Garcia Sgarbossa, Liana Laura Bresolin Soares, Lucas Bresolin, Luiz Henrique Perszel, Luma Girdi Kautz, Mainara Hoffmann Batista, Maria Carolina Simionato, Maria Isabelle Nakano Vieira, Mário César Obadovski da Rosa, Milena Bittarello, Nicole de Albuquerque, Paola Wozniak Ceni, Rafaela Poliana Pagnoncelli, Sarah Maioli Limberger, Taciê Hartmann Tissiani, Tayná Andressa Wencelewski, Victória Cosel Zampieri, Vitória Campos Boschetti e Vivianne Amanda do Nascimento Chmiel.

 Katherine Reiss do Nascimento foi homenageada com o Mérito Acadêmico, por ter obtido o melhor desempenho durante o curso, com a média geral final 9,15. A entrega da distinção foi feita pelo Coordenador do Curso, Sergio Bigolin.  

O Reitor Arnaldo Nogaro, em seu pronunciamento, salientou: “Vocês não encerram um ciclo, a partir de hoje assumem uma identidade e seguem em uma condição de vida, uma teia complexa que teve início quando decidiram por esta profissão que vai causar profundas modificações em seu mundo interior e exterior”

O Diretor-Geral do Câmpus, Paulo Roberto Giollo, destacou: “Os sonhos são o nascedouro de tudo o que a humanidade construiu na sua história. O nosso nasceu em 2011, quando o nosso sentimento de caráter eminentemente comunitário, nos desafiou a iniciar um processo de criação do Curso de Medicina. Foi uma caminhada de aprendizagem diária, com a superação de muitos desafios. Então, agora, com o uso da ciência, é hora de curar, em primeiro lugar, os males do corpo, mas não esqueçam de serem, também, médicos de almas”, disse o dirigente. 

O Prefeito de Erechim, Paulo Alfredo Polis, lembrou das inúmeras viagens a Brasília para concretizar o sonho de trazer o Curso de Medicina para Erechim. “Tivemos ao nosso lado inúmeras lideranças que desempenharam um papel ativo nessa conquista, demonstrando um comprometimento com a educação e o bem-estar de nossa comunidade”, frisou. “Vindos de diferentes partes do estado e do país, os estudantes encontraram aqui não apenas salas de aula, mas um ambiente enraizado na crença de que o acolhimento é a base para uma formação médica verdadeiramente humanizada”, concluiu. 

O paraninfo Ramiro Ronchetti foi além e lembrou da superação de outros desafios. “Ser pioneiro na construção do curso nos obriga a pensar nas dificuldades e superações de outros pioneiros, com situações mais adversas que a nossa em que superar a desconfiança e a resistência se tornava uma tarefa de sobrevivência. E esses primeiros médicos da Universidade venceram a desconfiança e apostaram na formação em uma universidade em formação também é modelo desse pioneirismo”, destacou. 

O Coordenador do Curso, Sergio Bigolin, disse mais: “Acredito que todos terão uma participação relevante na solução das desigualdades relacionadas à saúde e que irão impulsionar o progresso da saúde nos locais de atuação na sociedade como um todo. Lembrem-se que é imprescindível, além das habilidade práticas, desenvolvermos um conjunto de habilidades comportamentais como pensamento criativo, humildade, cordialidade, raciocínio analítico, ética, liderança e gestão de equipes em nosso exercício profissional”, resumiu. 

As oradoras Amanda Schneider e Luma Girardi Kautz, destacaram: “Tivemos em comum um único objetivo: o sonho de nos tornarmos médicos. Ser a primeira turma nos permitiu criar a nossa querida Atlética e o Centro Acadêmico, fundar as primeiras ligas e organizar as primeiras jornadas acadêmicas. Sabemos que daqui sairão grandes médicos, de alma humana, responsáveis e que farão seu trabalho com nobreza e excelência”, concluíram.

A formatura teve, ainda, um espaço onde a Associação Atlética Acadêmica do Curso de Medicina prestou uma homenagem aos seus fundadores. A distinção foi entregue pelo presidente Gabriel Antônio Deffaci da Cunha ao primeiro presidente, Jean Carlos Ostrowski, que colou grau juntamente com outros colegas da Atlética. 

 




Comments


bottom of page