Foco em ações de prevenção no Hospital Santa Terezinha

Hospital tem novas ações, tendo em vista o aumento do fluxo de pessoas com a retomada de alguns serviços



A Fundação Hospitalar Santa Terezinha (FHSTE), adotou uma série de ações para aumentar as medidas de prevenção à Covid-19, tendo em vista o aumento do fluxo de pessoas em virtude da retomada de alguns serviços no hospital.

Conforme explica o diretor Executivo, Jackson Arpini, as ações são necessárias face ao surgimento de alguns casos em ambientes hospitalares do Estado. “O hospital, preocupado com a situação, fixou banners orientadores nas entradas principais (Pronto Socorro, Internações e Oncologia), aumentou os pontos de acesso a álcool 70%, fixou material informativo em todos os quartos do hospital e setores de grande circulação e está limitando a acesso das pessoas à Casa de Saúde”, explica Arpini.

Também foi verificado o distanciamento controlado nos ambientes de espera, no sentido de evitar a aglomeração de pessoas e as portarias foram orientadas a normatizar o acesso de familiares nos momentos de visitação.

“Estamos atravessando um cenário positivo em relação ao número de casos ativos e a redução das taxas de ocupação das estruturas hospitalares do hospital público, referência regional para o SUS, que atualmente está com sete pacientes internados nas alas Covid (UTI e leitos clínicos)”, afirma o diretor Executivo.

Ainda, atualmente o Hospital Santa Terezinha está retomando os procedimentos eletivos de forma gradual, o que aumenta o fluxo de pessoas na instituição. “Nesse sentido solicitamos a compreensão da população que frequenta o hospital para que estejam atentos a todas as medidas preconizadas, como higienização das mãos, uso de álcool 70%, máscaras de proteção individual e respeito ao distanciamento controlado”, frisa Jackson Arpini.

O diretor Executivo também destaca que a Casa de Saúde está retomando atividades importantes para minimizar a demanda reprimida, face ao cenário da pandemia na região, e é fundamental a integral compreensão da população. “Não podemos abrir mão das medidas preconizadas, ainda mais por se tratar de uma instituição de saúde e verificando fatos que ocorreram em outras localidades”, finaliza o diretor Executivo da FHSTE.