FAE/Barão: funcionários fazem ato após 15 meses sem pagamento de salário e verbas rescisórias




Os ex-professores e funcionários do Instituto Barão do Rio Branco e da Faculdade Anglicana de Erechim promoverão nesta quinta-feira, 24 de dezembro, às 10h30, um abraço simbólico ao prédio onde funcionavam as instituições de ensino, em função dos atrasos salariais e pendências rescisórias enfrentadas há mais de um ano. A instituição encerrou as atividades em janeiro deste ano sem quitar os valores devidos e segue sem previsão de pagamento.


Os professores têm em aberto os salários de outubro, novembro e dezembro de 2019, férias e a totalidade das verbas rescisórias. “Nós ajudamos a construir a história de qualidade educacional das instituições e hoje temos nossos direitos negados”, desabafam os professores.


O professor Cássio Bessa, diretor do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS), explica que a entidade buscou desde cedo garantir as verbas salariais com a mantenedora das instituições de ensino Legião da Cruz, porém sem sucesso. “Entramos com ações na Justiça do Trabalho de Erechim buscando a quitação das pendências e até agora, quase um ano depois, não há decisão que garanta isso aos professores”, diz.


Bessa explica ainda que já houve a venda do prédio onde ficava a instituição, bem como o templo da Igreja Anglicana, porém a Justiça não determinou o pagamento dos trabalhadores ainda, pois foi pedida recuperação judicial por parte da mantenedora. “Um dos intuitos da ação promovida pelos professores e funcionários é chamar à responsabilidade a Diocese da Igreja Anglicana para ajudar a resolver essa situação de injustiça, pois é co-responsável pela situação”, salienta o diretor do Sinpro/RS.


O ato será na esquina do antigo prédio da FAE/Barão e deve seguir todos os protocolos sanitários e de saúde, com uso de máscaras, álcool gel e distanciamento.