Cooperativas gaúchas faturam R$52,1 bilhões em 2020




O levantamento divulgado no relatório Expressão do Cooperativismo Gaúcho 2021 (ano-base 2020) indica o faturamento recorde das cooperativas na ordem de R$ 51,2 bilhões, com incremento de 6,4% em relação ao período anterior. Os indicadores que confirmam a posição de destaque do setor no Rio Grande do Sul foram anunciados nesta quarta-feira (30/6) pela Ocergs, durante o Tá na Mesa online da Federasul.

“O desempenho das cooperativas gaúchas se reflete no crescente aumento dos ingressos, que nos últimos cinco anos atingiu a marca de 44,25%. Um dos grandes diferenciais do cooperativismo é que as sobras geradas pelas cooperativas permanecem nas comunidades em que elas estão inseridas, o que transforma nosso modelo de negócios em um potencial agente de transformação e desenvolvimento econômico e social”, afirma o presidente do Sistema Ocergs, Vergilio Perius.

Crescimento das sobras

A eficiência econômica das cooperativas gaúchas se concretiza através dos resultados que apresentam. No último ano, o crescimento registrado nas sobras apuradas foi de 22,5%, atingindo o valor de R$ 2,9 bilhões, o que representa uma expansão de 121,98% nos últimos cinco anos.

A solidez do sistema cooperativista estadual se comprova na evolução do patrimônio líquido, que cresceu 17,9% e alcançou R$ 21,2 bilhões, refletindo as boas práticas de gestão nas cooperativas. Em relação aos ativos, o cooperativismo gaúcho registrou um acréscimo de 28,5%, alcançando a marca de R$ 98,2 bilhões.

As cooperativas do RS geraram R$ 2,1 bilhões de tributos em 2020. Desse montante, R$ 1,1 bilhão foram em tributos estaduais, R$ 1 bilhão em tributos federais e R$ 80 milhões em municipais.

Saldo positivo de empregos

No acumulado de 2020, o saldo de empregos com carteira assinada nas cooperativas foi de 3.683, o que aponta variação relativa de 5,7%. A expansão de postos de trabalho no setor, que em 2020 registrou 68.303 empregos diretos, contrasta com o cenário do Rio Grande do Sul, que amargou no ano passado o segundo pior saldo no mercado de trabalho formal do Brasil, com o fechamento de 20.220 empregos. “O aumento de empregados contratados, sobretudo pelas cooperativas agroindustriais, de saúde e de crédito conforta a sociedade gaúcha, pois o Rio Grande do Sul fechou o acumulado no ano com uma variação relativa negativa de 0,80%”, explica Perius.

Confiança no sistema cooperativista

O número de associados às 455 cooperativas gaúchas passou de 2,97 milhões para 3,06 milhões em 2020, o que reforça a confiança da sociedade no sistema cooperativista. A participação da população gaúcha envolvida no cooperativismo é de 53,4%, considerando que a família de cada associado se constitui, em média, de duas pessoas.

Agro impulsiona resultados

As cooperativas agropecuárias registraram um faturamento de R$ 35 bilhões em 2020, o que representa um aumento de 11,8% em relação ao exercício anterior. Atualmente, 63 cooperativas do Rio Grande do Sul possuem planta agroindustrial, onde processam a matéria-prima e agregam valor em mais de 131 produtos diferentes. Na produção total da safra de soja gaúcha, as cooperativas do setor mantêm sua participação de 50%.

Crédito, Saúde e Infraestrutura

Outro setor que apresenta destaque é o ramo Crédito, que ampliou em 34% a captação de recursos nos depósitos a prazo, registrando R$ 28,5 bilhões nessa modalidade. Na área de Saúde, 1,8 milhão de beneficiários de planos de saúde no Rio Grande do Sul são provenientes de cooperativas, o que representa 46% das operadoras do Estado.

No ramo Infraestrutura, as cooperativas do setor atendem 369 municípios do Estado e somam mais de 303 mil consumidores, com incremento de 14,9% em ativos, alcançando a marca de R$ 2,2 bilhões.

Cenário do cooperativismo brasileiro

O presidente do Sistema OCB, Márcio Lopes de Freitas, destaca através dos números a força do cooperativismo no País. “Praticamente 30% da população brasileira tem ligação direta ou indireta com o cooperativismo”, afirma o dirigente. De acordo com a OCB, o modelo cooperativista reúne 15,5 milhões de cooperados distribuídos em 5,3 mil cooperativas no Brasil. São mais de 427 mil empregos diretos gerados, o que reforça o impacto positivo das cooperativas no desenvolvimento econômico e social das comunidades em que atuam.

A estimativa de faturamento das cooperativas brasileiras em 2020 supera a marca de R$ 308,8 bilhões, enquanto que nos ativos chega a mais de R$ 495 bilhões. No último ano, as cooperativas contribuíram com mais de R$ 26 bilhões em tributos no Brasil.

Cooperativas como motor do desenvolvimento do Brasil

“Na média brasileira, 53% de tudo o que o Brasil agrícola produz é desenvolvido por cooperativas. E o melhor, dessa produção agrícola originada por cooperativas, a base delas é de pequenos agricultores, com 71,2% dos agricultores sendo do perfil da agricultura familiar”, ressalta Freitas.

Confira alguns destaques das cooperativas brasileiras

  • Únicas instituições financeiras fisicamente presentes em 594 municípios brasileiros;

  • Importantes atores no acesso ao crédito para produtores e micro e pequenos negócios;

  • Nove das dez empresas com melhor avaliação dos consumidores de energia;

  • A rede de cooperativas de Saúde está presente em 85% do território nacional;

  • O cooperativismo médico responde por 32% do mercado da saúde complementar;

  • Cooperativas suprem serviços de interesse público em diversos setores da economia;

  • Opção viável e eficiente de organização de trabalho para milhões de pessoas.