Belas Artes: ontem, hoje e sempre

Partindo de relatos e memórias afetivas de quem já passou pelo espaço que é referência cultural para Erechim e região, documentário vai relembrar e registrar a história da escola em suas mais de 6 décadas de existência

Documentário tem como objetivo valorizar e guardar a história do Belas Artes - Crédito: Arquivo Ascom/PM Erechim

Um dos principais espaços culturais da história de Erechim, a Escola de Belas Artes Osvaldo Engel - que recentemente ganhou status de centro cultural, técnico e profissional - vai ter sua história relembrada e registrada em um documentário. O material, com previsão de ter aproximadamente 75 minutos, pretende explorar memórias e relatos de quem passou pelo espaço, criado na década de 1960, mas que ainda mantém viva sua essência de explorar e incentivar a cultura nas suas mais diferentes representações.

Intitulado Belas Artes: ontem, hoje e sempre, o documentário tem a produção executiva e coordenação geral de Nair Rocha Dutra, com direção geral e roteiro de Patrick Menegazzo. A obra tem como objetivo valorizar e guardar a história do Belas Artes, contada e retratada a partir de pesquisas em fontes históricas, mas também a partir das vivências de quem teve sua trajetória cultural marcada pelo tempo que conviveu no espaço, que há décadas funciona na Rua Nelson Ehlers, no centro de Erechim. Há projetos futuros para que uma nova sede seja construída, e o documentário busca, também, marcar o tempo vivido no atual prédio, onde a maior parte da história da escola se desenvolve.

Para além do registro, que servirá inclusive de referência para pesquisas futuras, o material também chegará à comunidade erechinense por meio do cinema. Está prevista, a exibição do documentário em três sessões gratuitas no Cine Master, em março de 2023, além da distribuição de DVDs em escolas, bibliotecas, entre outros espaços culturais. O projeto já está em andamento, atualmente na fase de pesquisa histórica e levantamento de fatos e personagens que marcaram a trajetória de mais de 60 anos do ‘Belas’, – como é carinhosamente chamado pela comunidade.

A partir disso, o documentário será roteirizado para posteriormente iniciar a fase de captação de depoimentos e imagens. A primeira reunião da equipe envolvida na produção foi realizada na última segunda-feira, 12 de setembro, exatamente no dia em que o Belas Artes completava seu 61º aniversário. A data para se reunir foi escolhida cumprindo fins de organização, mas marcada pela feliz coincidência de ocorrer justamente no dia em que o espaço celebrava mais um ano de sua história. Grande parte da equipe envolvida na produção tem histórico ligado ao Belas Artes, desde ex-alunos até professores do local.

O projeto “Belas Artes: ontem, hoje e sempre” conta com o patrocínio das empresas: Cavaletti, Cercena, Ervateira Cristalina, Perfil e Sementes Estrela. Apoio Sicredi UniEstados, Movie Arte Cinemas e URI Erechim. O financiamento é do Pró-Cultura RS Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Responsável pela direção geral do documentário Belas Artes: ontem, hoje e sempre, o ator e diretor Patrick Menegazzo, que é ex-aluno de Teatro do Belas, ressalta que para além de produzir um material histórico e afetivo, a ideia é entregar à comunidade uma produção de qualidade, à altura do que a história do Belas Artes carrega: “Enquanto artista de Erechim, ex-aluno do Belas Artes, tenho como intenção memorizar da forma mais honrosa possível a história dessa escola que é tão importante para o Norte do Rio Grande do Sul. Vamos fazer um trabalho que dignifique a história e a linha biográfica desse fundamental espaço de artes do interior do Estado. Embora a gente saiba que não há como contar toda a história de 61 anos do Belas Artes em um filme de 75 minutos, vamos fazer o possível para jogar luz sobre os principais fatos e personagens que marcaram e marcam sua trajetória”, disse.


Primeira reunião da equipe responsável pelo projeto foi realizada no dia em que o Belas Artes celebrou seu 61º aniversário, em 12 de setembro de 2022 - Crédito: Divulgação